Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

My Books News

My Books News

Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett


 O objectivo inicial era perceber se o Viagens na minha terra era a reputada seca do secundário. Confesso que me surpreendeu que a leitura não activou a memória. Começo a pensar se li o livro na escola.


 


Garrett intercala reflexões pessoais sobre o contexto histórico, político e literário da época com uma história que é considerada o epogeu do romantismo em Portugal. Está tudo lá: o idealismo, o amor à natureza, o idealizar da mulher pura... E todavia é tão estranho porque o próprio Garrett critica frequentemente o romanesco.


 


É inegável que as descrições das terras foram um pouco chatas. Fez-me lembrar o Nossa Senhora de Paris de Victor Hugo, com as suas imensas descrições das ruas e ruelas de Paris e da sua arquitectura e das suas críticas às intervenções arquitectónicas da época. Tudo isso encontra-se também no Viagens na minha terra.


 


Mas é igualmente inegável que saltar essas partes é perigoso. Faz-nos perder pequenas jóias como as reflexões sobre a guerra e a natureza humana. 


 


Quanto à secção que conta a história dos amores e desamores de Carlos, Joaninha, Georgina, Júlia, Laura, Soledade... este Carlos era muito dado. Ou talvez o problema dele fosse que não se dava, verdadeiramente, a ninguém. 


Mas a culpa é aqui a personagem principal e Frei Dinis carrega-a do princípio ao fim com abnegação. É ela o fio condutor e a razão de ser de uma reviravolta na história que confesso, surpreendeu-me. 


 


Em suma, sinto-me muito satisfeita por ter embarcado nesta viagem. Estou determinada a incorporar mais clássicos portugueses nas minhas leituras e a abandonar o preconceito do "são chatos".


 



Assim terminou a nossa viagem a Santarém; e assim termina este livro.


 



Fiz uma leitura compartilhada com a autora do blog A mulher que ama livros.


 Podem ler a sua opinião AQUI.

2 comentários

Comentar post