Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

My Books News

My Books News

O racismo existe e é mainstream

Em 2015 decidi ler mais livros de não ficção e foi a melhor decisão literária que fiz nos últimos anos. Cada vez mais sinto a estupidificação da informação que circula e não duvidem que isso nos trará pessoas estúpidas. Há correlação. Sinto que não sei o suficiente sobre temas determinantes da minha vida e do mundo que me rodeia. Vivendo em democracia, sendo a mim que cabe a decisão, isso é tremendamente perigoso.


 



Criámos uma civilização global na qual os elementos fundamentais - os transportes, as comunicações e todas as outras indústrias, a agricultura, a medicina, a educação, as diversões, a protecção do meio ambiente e até a instituição democrática fundamental das eleições - dependem fundamentalmente da ciência e da tecnologia. Também dispusemos as coisas de tal modo que quase ninguém compreende a ciência e a tecnologia. Isto é uma receita para a catástrofe. Podemos continuar durante algum tempo, mas, mais cedo ou mais tarde, esta mistura explosiva de ignorância e de poder vai rebentar-nos na cara.


Carl Sagan - Um mundo infestado de demónios


 



Qualquer pessoa com formação elementar sabe que o tom da pele é uma consequência de uma evolução genética relacionada com pigmentos que visam proteger a pele da radiação solar. Quanto mais sol, maior a pigmentação e mais escuros ficamos (alguns até pagam para reforçar essa pigmentação em salões de estética). Muito simplisticamente, é assim e grosso modo, entra-se no conjunto de diversidade biológica que faz com que uns sejam morenos e outros loiros, tenham olhos castanhos ou cinzentos... e viva a diferença.


 


Por isso, ser racista é ser ignorante e tolerar o racismo é ser-se ignorante por cumplicidade. 


 


Este mês, a CNN publicou uma sondagem em que perguntava quem deveria ser capa o prémio da Sports Illustrated, uma revista de desporto norte americana, identificando a própria publicação com a tag  (pessoa desportista). Deu duas hipóteses, uma tenista norte-americana de cor negra ou um cavalo. Percorri a lista de premiados e nunca este foi atribuído a um animal, percorri a capa da revista e não vislumbro mais que pessoas


cnn.JPG


Por tudo isto, não acho que esteja a extrapolar quando vejo nesta "sondagem" uma piada racista que, incrivelmente, não parece ter sido alvo de um ultraje internacional. 


 


Por tudo isto, 2017 será um ano em que pretendo reforçar a leitura de livros de não ficção para que não morra ignorante neste e noutros temas. 


 


Aquilo que somos, em última análise, será aquilo que deixamos na educação das nossas crianças. E eu também não quero que as minhas sobrinhas sejam ignorantes, simplesmente porque não fui capaz de as ensinar e as ajudar a navegar este mundo de informação e desinformação.


 


1º livro de não ficção de 2016:


6.JPG


Nos últimos 500 milhões de anos, a Terra passou por cinco extinções em massa, nas quais a diversidade da vida no planeta se reduziu drástica e subitamente.


Hoje, a comunidade científica monitoriza a SEXTA EXTINÇÃO, prevista como o evento mais devastador desde o impacto do asteroide que matou os dinossauros há 65 milhões de anos.


MAS, DESTA VEZ, O ASTEROIDE SOMOS NÓS.