Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

My Books News

My Books News

História dos nossos dias


O drama das famílias dos 17 activistas angolanos, contado por quem os visita: como são as prisões onde estão? Como estão a ser tratados? Há cadeias com ratazanas, sanitas sem água, em nenhuma se dá o básico: água potável. Esta semana, um deles escapou de uma facada. 



notícia no Público 


 


 



E. P. e os companheiros referem-se aos mandantes como se de reis se tratasse: "No reinado do cruel capitão Manuel dos Reis ficou bem clara a nossa indefesa situação de prisioneiros daquela terra de ninguém. Logo à chegada vociferou-nos: "Vocês aqui não têm direitos, só têm deveres a comprir. E não se iludam - quem entrea por aquele portão é para morrer. Vão todos cair como tordos!""


 



As vítimas de Salazar, de Irene Pimentel e outros, capítulo "Campos de Concentração"


 


A entrada refere-se ao campo de concentração do Tarrafal, em Cabo Verde. No entitulado "campo da morte lenta" morreram dezenas de presos políticos.


 


 


Tarrafal: Memórias do Campo da Morte Lenta, realização por Diana Andringa


 



 



O Tarrafal tinha sido o "ponto magnífico!" para atingir os objectivos de uma "colónia penal" no fim do mundo: "vento, sol canicular, água imprópria, vegetação raquítica, mosquitos em abundância, durante todo o ano, e sobretudo durante quatro meses, quando os ventos do nordeste param... Que ponto tão bom para exterminar presos políticos sem que se pudesse dizer que tinham sido liquidados!..."


 


As vítimas de Salazar, de Irene Pimentel e outros, capítulo "Campos de Concentração"