Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

My Books News

My Books News

GO SET A WATCHMAN, Harper Lee


Ontem terminei o Go Set a Watchman, de Harper Lee. Ouvi-o em audiolivro, aproveitando o mês gratuito do Audible


 


Antes de começar a ler, assumi alguns pressupostos:


- o livro não é uma sequela, mas um rascunho que precedeu Por favor não matem a cotovia


- as personagens de ambos os livros não serão, necessariamente, as mesmas ou ter as mesmas características (já tinha ouvido que Scout e Atticus eram _____ (spoiler), o que chocou muito boa gente)


- o livro poderá ter sido editado, não sabemos em que extensão e não sabemos por quem; por isso, o que é ou não Harper Lee?


 


Foi com estes pressupostos que iniciei a leitura/audição, embalada pelo sotaque sulista de Reese Witherspoon. Não fui embalada pelo sonho de uma "sequela" de  Por favor não matem a cotovia. Quanto muito, é um vislumbre de como poderá surgir e evoluir um livro, num processo de escrita de uma autora tão amada. Não mais que isso. 


Talvez por isso não me tenha sentido defraudada nas expectativas e não tenha sentido a necessidade de pedir a devolução do meu dinheiro, como está a acontecer nos EUA


 É uma idiotice, mas também o justo castigo a uma editora que falhou com os leitores, vendendo este livro como algo que não é: um rascunho.


 


A primeira parte do livro é deliciosa, pois temos a Scout, 20 anos depois, mas com a inconfundível voz, que nos foi dada por Por favor não matem a cotovia. Voltei a rir-me com as desventuras da pequena Scout - não me admira que o editor de Harper Lee, ao receber esta versão, lhe tenha pedido que a reescrevesse para focar a história no período da infância.


A Scout adulta é uma _____ não assumida, incoerente, mal resolvida e incapaz de viver de acordo com o que defende. É uma Scout adulta, sem o extraordinário que prometia enquanto criança.


 


Uma leitora (não me recordo qual) disse que Por favor não matem a cotovia é o racismo visto pelos olhos de uma criança e Go Set a Watchman é o racismo para adultos e eu acrescento: com que vivemos hoje. É um racismo velado, que não é assumido, que se vai destilando de bocas bem formadas, bem paridas e com pseudo-argumentos armados de retórica erudita.


 


Por isso, Go Set a Watchman não deixa de ser um amargo de boca. Gostamos de poder voltar a ler Harper Lee, mas desejavamos que não fosse assim. No fundo, queremos continuar a ser crianças.