Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

My Books News

My Books News

Clube dos Clássicos Vivos - Moby Dick - 13 de 14

Em Agosto li Moby Dick, juntamente com as/os restantes membros do Clube dos Clássicos Vivos, moderado pela Cláudia Oliveira (A mulher que ama livros).


 


Gostei do livro, mas não é uma leitura fácil. Temos Ismael marinheiro, Ismael enciclopédia e vários outros narradores (ou apenas um segundo que apresenta os pontos de vista de terceiros?). 



Com Moby Dick fiquei com a mesma sensação de que tive ao ler Os Maias, é para reler e conhecer melhor. Senti, especialmente depois das "aulas" no You Tube que o livro é muito mais rico que os meus conhecimentos permitem apreender.

Começo pela estrutura narrativa: realmente é surpreendente encontrar uma verdadeira enciclopédia sobre a caça da baleia, até diria que é um pouco de arrogância de Melville em querer mostrar-nos o quanto sabe.

E que dizer de uma caça que, na verdade, apenas acontece nos 3 últimos capítulos?


 


Curioso, frequentemente vejo as preferências pelas personagens oscilarem entre o Ismael (do início da obra), o Queequeg (porque merece) e o cozinheiro (pelo momento de humor que propicia). 



Eu, gostei particularmente de Starbuck que tem a lucidez para perceber o erro e o perigo de Ahab, por ousar questioná-lo, por tentar impor-se, por - ainda assim - reconhecer-lhe a humanidade e, por fim, por ter compreendido porque não foi capaz de demovê-lo seja pela argumentação ou pela força.
No final, como todos, segue Ahab na loucura até à morte (mas com uma consciência muito lúcida de porque o faz).

Se Ismael é um aspirar a um ideal de multiculturalidade e harmonia/repeito pela natureza, Starbuck é o humano falível que habita em cada um/a de nós.

Se Ismael é o que fica à margem e se salva, Starbuck é o que fica até ao fim, para o melhor e para o pior.

Ahab sabia disso e demonstra-o quando tenta salvá-lo, pedindo-lhe que não desça às baleeiras, no final. Definitivamente, o meu preferido é Starbuck.


 


É o meu clássico preferido? Não é, mas atrevo-me a dizer que é um livro obrigatório para quem ama livros.

2 comentários

Comentar post