Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

My Books News

My Books News

Livros no meu radar: As Mil e Uma Noites

ca.JPG

E-Primatur

A primeira tradução feita em Portugal a partir dos mais antigos manuscritos árabes existentes. Diferente de tudo o que conhecia.

Entre 1704 e 1717, o orientalista francês Antoine Galland publicou em 12 volumes pela primeira vez numa língua europeia «As Mil e Uma Noites». Apesar de Galland ter baseado a primeira parte da sua tradução no manuscrito (quase) completo mais antigo que se conhece (séc. XIV), mudou significativamente o texto, alterando de forma drástica várias histórias, fazendo acrescentos a seu gosto, introduzindo histórias que nunca tinham feito parte das versões manuscritas e depurando todas as partes impudicas.
 
«As Mil e Uma noites» são um conjunto de histórias populares recolhidas por autor anónimo que teriam sido alegadamente escritas em persa e posteriormente traduzidas para árabe. Dos manuscritos persas, se existiram realmente, nada sobreviveu, mas dos árabes sobrevivem vários documentos possivelmente copiados de uma mesma versão primordial em árabe que se perdeu também ela.

Cada documento tem variações e disparidades — cada copista terá acrescentado ou interpretado mal a seu bel prazer — apesar de haver um corpo comum surpreendentemente semelhante entre as várias versões, sobretudo nas mais antigas.

Quem redigiu e copiou as suas histórias não seria versado nos cânones das belas-letras da língua árabe, e tudo leva a crer que este livro não agradaria nada aos leitores cultos, sendo muito possivelmente as suas histórias destinadas a serem contadas publicamente perto dos mercados, como ainda hoje acontece, por exemplo, na Praça Jemaa el-Fnaa em Marraquexe, e em saraus domésticos.  
 
O seu tom coloquial lembra os contos tradicionais portugueses, mas sem terem sido recolhidos por intelectuais e sem peias: as histórias são fantásticas, eróticas, violentas, apaixonantes e apaixonadas, cheias de lições morais e problemáticas filosóficas, de conselhos para  melhor viver e amar. No corriqueiro de histórias para entreter reside a sabedoria milenar de vários povos e de uma antiguidade que nos é, ainda assim, ao mesmo tempo estranha e próxima.
 
Talvez por isso as histórias de «As Mil e Uma Noites» estejam na base de muita da grande literatura  universal por nos terem dado o imaginário da literatura fantástica oriental.

Longbourn, Jo Baker

Capturar.JPG

Foi o subtítulo que me fez comprar o livro:

Pride and Prejudice

The servant´s story

 

Jo Baker fez um excelente trabalho de criar uma história que realmente é um paralelo de Orgulho e Preconceito, dando voz aos serventes da casa, com destaque para uma das criadas - Sarah.

Sarah descreve com detalhe a dureza da vida de uma servente nos primórdios do séc. 19, frequentemente orfãs, que começam a trabalhar quando crianças.

A fome sempre presente, seja nas lembranças, seja na forma como a dádiva de alimentos é recebida como um acto de generosidade de tal monta, que quem recebe fica para sempre em dívida para com que dá. 

 

Gostei particularmente da escrita mordaz de Jo Baker, que não hesita em colocar as jovens casadoiras de  Orgulho e Preconceito, ao nível daquilo que as criadas têm de limpar delas.

The young ladies might behave like they were smooth and sealed alabaster statues underneath their clothes, but then they would drop their soiled shifts on the bed-chamber floor, to be whisked away and cleaned, and would thus reveal themselves to be the frail, leaking, forked bodily creatures that they really are.

 

Porém, não se pense com este trecho que Jo Baker é cruel para com as personagens de Orgulho e Preconceito. Não é verdade, embora com um ou duas, tenha tomado algumas liberdades.

Porém, nada do que fez colide com a história, pelo contrário, segue-a fielmente.

Gostei particularmente do que fez com o ridículo Sr. Collins.Já menos interessante (para mim), foi a história da Sarah com os seus dois pretendentes.

 

Apesar de o ter lido em inglês, o que me abranda sempre, a leitura foi verdadeiramente viciante. Recomendo vivamente.

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

SCRIBD - 1 mês grátis para mim e 2 para vós

Se decidirem fazer uma inscrição grátis no SCRIBD, poderiam utilizar o meu convite? Eu receberei 1 mês grátis e a/o convidada/o receberá 2 meses grátis, em vez dos habituais 30 dias grátis.https://www.scribd.com/g/62ck8b