Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

My Books News

My Books News

Margaret Atwood - Porto - 8 de Novembro

Mais informações aqui




Margaret Atwood partirá dos mitos – que, tal como as lendas e os contos de fadas, a inspiram desde a infância – para explorar as raízes desse interesse contínuo e a maneira como este universo tem informado a sua vasta e múltipla obra de seis décadas, onde aborda temas como o género, a sexualidade, a identidade, a linguagem, as crenças, as ordens sociais, a ecologia e a nossa relação com os animais. Nesta conversa moderada por Gareth Evans, escritor e film curator na Whitechapel Gallery, Atwood explicará por que razões resiste ao rótulo de “feminista”, que muitas vezes tem sido aplicado aos seus livros – ela prefere pensar neles como obras de “realismo social”. Da mesma forma, não considera que as suas obras se inscrevam no género da “ficção científica”, definindo-as antes como ficções especulativas.


Entrada gratuita mediante levantamento de bilhete (2 por pessoa).

Bilhetes disponíveis no local da sessão, no próprio dia, a partir da hora de abertura da bilheteira.

#Sherlocktober


#Sherlocktober

Apesar de ter começado em Janeiro, foi em Outubro, com o #Sherlocktober, que li a quase totalidade dos 31 contos e 3 novelas de Sherlock Holmes que tinha, além de ver um outro (que não possuía) que em versão televisiva. 

Adorei a experiência de ler Sherlock Holmes de forma continuada e gosto de pensar que o continuarei a ler, até terminar a totalidade da obra.



Jeremy Brett, para mim, tornou-se o único Sherlock Holmes, ao ponto de o ouvir na minha cabeça, enquanto leio os livros.
Não posso deixar de pensar que, assim como Arthur Conan Doyle nunca conseguiu deixar de estar associado ao mais famoso detective do mundo.  

 

Na minha biblioteca pessoal resta-me As aventuras do brigadeiro Gérard, mas as histórias de Sherlock Holmes totalizam 4 novelas e 56 contos, publicados ao longo de 40 anos. Assim, ainda posso continuar a ouvir a voz desta fantástica e divertida personagem, por muito tempo.

...

"And yet the motives of women are so inscrutable. You remember the woman at Margate whom I suspected for the same reason. No powder on her nose -- that proved to be the correct solution. How can you build on such a quicksand? Their most trivial action may mean volumes, or their most extraordinary conduct may depend upon a hairpin or a curling-tongs. Good morning, Watson."