Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

My Books News

My Books News

Os Miseráveis


 


FINALMENTE! Consegui terminar o 1º livro de Os Miseráveis. 


Os meus objectivos de leitura para Junho eram: ler 4 livros e um deles teria de ser este 1º volume, cuja leitura estava suspensa, há muito. 


 


Algumas pessoas irão agora sentir algum desconforto, mas aí vai: depois de ler o 1º livro dos Miseráveis, sou da opinião que ele tem momentos de brilhantismo, intercalados por partes de escrita "a metro". 


 


E mais não digo, arrogando-me o direito de avaliar a obra no seu todo.


 


Lidos: Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Nuno Júdice

Num dia com longas horas de espera, terminei: Sensos Incomuns, de Maria Isabel Barreno, Cronista não é recado, de Maria Teresa Hora e Pedro, Lembrando Inês, de Nuno Júdice.


 


Este dia é um excelente exemplo do porquê de andar sempre com um livro. Na verdade, estou seriamente a considerar deixar um livro no porta-luvas - é que o que levei para a manhã, acabou cedo demais.  


 


Sensos Incomuns - Maria Isabel Barreno (1993)


1 (190).jpg


Depois de Novas Cartas Portuguesas (1972, em co-autoria)A Morte da Mãe (1972), este é o meu terceiro livro de Maria Isabel Barreno. 


Uma verdadeira pechincha (€1) que há muito aguardava vez na estante. 


 


Este pequeno livro de contos é uma deliciosa leitura com personagens fascinantes, com sensos incomuns. E a forma como usa a palavra para criar imagens inusitadas, é sublime: 



Assim pensava Madre Angélica, invariavelmente, atravessando os escuríssimos corredores, ouvindo o ressonar das suas irmãs em Cristo, e concluía, sempre com um estremecimento: quantas obstruções e filtros e escuras passagens temos dentro de nós, acerca dos quais ignoramos tudo, e que sub-repticiamente se revelam ao conhecimento dos outros, na nossa inconsciência, pela calada da noite ou por qualquer outro lapso de nossa vigilância. 



 


#bookbingoleiturasaosol2


Se estão a fazer o Book Bingo leituras ao Sol 2 (aqui), fica a dica que este livro de contos, que custa apenas €1.00, venceu o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco (1993).


 


 


Cronista não é recado - Maria Teresa Horta (1967)


50567.png


Mais um das 3 Marias das Novas Cartas Portuguesas (1972, em co-autoria), que revisito. Desta feita, um pequeno livro da sua poesia mais antiga. 


O livro encontra-se divido em três conjuntos: um em que a temática é mais social, com enfoque nos trabalhadores; outro em que o tema são as mulheres e finalmente um conjunto de poemas que afloram a História de Portugal.  


Não é um livro de poemas de fácil compreensão, para leigas como eu, mas eu considero isso um aspecto a melhorar e não uma barreira para a leitura.


 


Frequentemente, a poesia depende de um grande domínio da linguagem e do conhecimento das vivências culturais e históricas da poetisa/do poeta. 


 


Porém, mesmo com as obras mais "difíceis" há sempre um momento de sintonia entre poetisa e leitora que é difícil esquecer. Como se estivéssemos a viver o mesmo, a pensar no mesmo e neste caso, a sentir a mesma frustração: 


 



CRÓNICA SOBRE O PAÍS AO SEU POVO 


 


Levam os feitos para a


História


reis de tronos cinzelados


 


Para quem é malfadado


não há brocado 


nem fato


 


Cronistas dizem das naus


mas não dizem do arado


que lavra a História do povo


feita de povo descalço


(...)



 


Pedro, Lembrando Inês, de Nuno Júdice (2001) 


Capturar (165).JPG


Pedro, Lembrando Inês, de Nuno Júdice é uma releitura a que volto com alguma frequência. Ando a lê-lo e relê-lo desde a sua publicação.


Peguei nele por capricho, na biblioteca, apesar de ter um exemplar em casa. Mas o meu em nada se assemelha à edição da Dom Quixote com tons sépia.


 


Pedro, Lembrando Inês é um livro que recomendo a quem "não lê poesia", esse e toda a obra de Eugénio de Andrade. :)   


 


#readingwomenmonth

Pedro, lembrando Inês

Em que pensar, agora, senão em ti? Tu, que


me esvaziaste de coisas incertas, e trouxeste a


manhã da minha noite. É verdade que te podia


dizer: "Como é mais fácil deixar que as coisas


não mudem, sermos o que sempre fomos, mudarmos


apenas dentro de nós próprios?" Mas ensinaste-me


a sermos dois; e a ser contigo aquilo que sou,


até sermos um apenas no amor que nos une,


contra a solidão que nos divide. Mas é isto o amor:


ver-te mesmo quando te não vejo, ouvir a tua


voz que abre as fontes de todos os rios, mesmo


esse que mal corria quando por ele passámos,


subindo a margem em que descobri o sentido


de irmos contra o tempo, para ganhar o tempo


que o tempo nos rouba. Como gosto, meu amor,


de chegar antes de ti para te ver chegar: com


a surpresa dos teus cabelos, e o teu rosto de água


fresca que eu bebo, com esta sede que não passa. Tu:


a primavera luminosa da minha expectativa,


a mais certa certeza de que gosto de ti, como


gostas de mim, até ao fim do mundo que me deste.


 


Nuno Júdice


Pedro, lembrando Inês (2001)


 


Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

subscrever feeds

SCRIBD - 1 mês grátis para mim e 2 para vós

Se decidirem fazer uma inscrição grátis no SCRIBD, poderiam utilizar o meu convite? Eu receberei 1 mês grátis e a/o convidada/o receberá 2 meses grátis, em vez dos habituais 30 dias grátis.https://www.scribd.com/g/62ck8b