Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

My Books News

My Books News

Furiously Happy - Jenny Lawson

O último livro de 2016 e o primeiro de 2017. 


Estou a aproveitar o período experimentar do Playster para ouvir a Jenny Lawson a ler o seu Furiously Happy. Não pude deixar de me rir só do facto de ter descoberto que o animal é verdadeiro - apesar de empalhado - e que se chama Rory. 103168.jpg


Depois de ler, em tantos posts, que havia sido o mais hilariante de 2016, decidi por de lado o meu preconceito em relação à "moda" de livros com memórias sobre a saúde mental. 


Depois de ouvir alguns capítulos de Furiously Happy, só posso concluir que é necessário que surjam MAIS livros sobre saúde mental.


 


Lembrei-me agora das pessoas que detestam audiobooks. Não sabem o que estão a perder.

2017 - Ler ficção em língua portuguesa

2016 #leiamulheres


2017 #línguaportuguesa 


 


Tracei ambos os objectivos em 2015 e não me arrependi de nenhum pelo que, dedicarei o ano de 2017 à leitura de autores de ficção apenas em língua portuguesa: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste.


 


Utilizando a ferramenta do Goodreads que permite seleccionar duas "estantes", rapidamente percebi que em casa tenho 104 livros não lidos (ou que desejo reler) que correspondem a esse critério. 


 


Estou particularmente interessada em apostar em novos/as autores/as e maior diversidade. 


multiple2.JPG


multiple.JPG 


(encontrarão o resultado no final da página)


 


No que respeita a novas aquisições, vou poder comprar os livros que quiser, desde que haja cabimento na minha mesada de €10 para maluquices ou do resultado de vendas de outros livros (ou seja, lê das estantes Cristina!).


 


2017 também vai ser um ano de mais não ficção, em que o meu único objectivo é ler mais, independentemente do género ou nacionalidade do/a autor/a.


 


No que respeita a quantidade, mantenho o meu número ideal de ler 52 livros/contos/novelas, ou seja, 1 por semana. É a forma de me lembrar que é mais saudável o nariz nos livros que os olhos no ecrã.

Pág. 1/8